sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Ghost 12 suporta (com bugs) EXT4

Desde 2015, o venerável Symantec Ghost[1], parte da Ghost Solution Suite (atualmente na versão 3.1), voltou a ser atualizado, saindo da cansada versão 11.5.1 para a 12. Além de suportar oficialmente os Windows modernos (ver esta tabela), também trouxe suporte[2] ao sistema de arquivos EXT4. Na 11.5.1, suportava apenas EXT2 e EXT3. Volumes EXT4 eram rejeitados com um tal erro 652 (Attempted to access an inconsistent Linux partition). Estranho não ter uma palavra sobre a novidade nas notas de lançamento.


A versão 12 preserva todas as características de volumes EXT4 formatados com o mke2fs da série 1.42[3] (via mkfs.ext4), com exceção de uninit_bg, que faz pouca diferença, pois afeta apenas o tempo requerido pelo e2fsck para verificar o sistema de arquivos.

No entanto, se o sistema de arquivos tiver o recurso 64bit habilitado (a partir do mke2fs 1.43 o é por padrão), daí o programa falha por completo. Não é exibido erro algum ao criar e restaurar a imagem, porém o sistema de arquivos fica totalmente corrompido depois de restaurado. Provavelmente o pessoal da Symantec está testando seu código usando distribuições velhas como referência. Vamos ver se em versões futuras (depois da 12.0.0.8065; GSS 3.1 MP5) arrumam esse problema. [Atualização - 07/04/2017] Resolvido na versão 12.0.0.10517.


[1] Existe uma confusão entre Norton Ghost e Symantec Ghost. Ver este meu post no fórum CdH sobre isso.
[2] Significa salvar só os dados, recriando o sistema de arquivos no momento da restauração, já entregando-o redimensionado caso necessário. Dessa maneira, o tamanho da imagem é otimizado. Similar ao FSArchiver. Não é uma cópia bit a bit como o dd faria.
[3] Até a 1.42, auto_64-bit_support = 1 era configurado em /etc/mke2fs.conf: habilitava 64bit apenas em volumes maiores que 16 TiB. Ou seja, na prática, na esmagadora maioria das instalações, o recurso não estava presente. Na 1.43, passou a ser sempre habilitado — o mesmo comportamento foi backportado para o pacote 1.42.9 do RHEL 7.

sábado, 11 de fevereiro de 2017

systemctl enable|disable|mask --now

A partir do systemd 220, a opção --now poupa uma invocação adicional do systemctl quando queremos habilitar e iniciar, ou desabilitar e parar um daemon.

# systemctl enable xxx.service
# systemctl start xxx.service

               |
               v

# systemctl enable --now xxx.service

# systemctl disable xxx.service
# systemctl stop xxx.service

               |
               v

# systemctl disable --now xxx.service

# systemctl mask xxx.service
# systemctl stop xxx.service

               |
               v

# systemctl mask --now xxx.service

Melhor de tudo: a equipe da Red Hat backportou o recurso para a versão 219 do RHEL 7.2.

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2017